Incubadoras e aceleradoras a caminho do desafio

A agenda da segunda edição do Programa de Incubação e Aceleração de Impacto continua a pleno vapor. Após o workshop inicial, em dezembro, teve início o processo de capacitação, que segue até o fim de abril com o desenvolvimento dos módulos de conteúdo sobre a temática de negócios de impacto e referências para serem pesquisadas. As 35 instituições participantes representam 17 estados de todas as regiões, entre eles Alagoas, Amazonas, Goiás, Pará, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo. A lista completa pode ser acessada aqui.

Para Samir Hamra, analista de Programas do ICE, a diversidade do grupo e o grau de interesse sobre a temática de negócios de impacto são os destaques da edição. “É interessante notar também a formação de clusters temáticos na plataforma, grupos de discussão paralelos, trocando ideias sobre a aplicação do conteúdo apresentado em seu contexto de atuação e reforçando o aprendizado”, diz Samir.

O Programa de Incubação e Aceleração de Impacto é fruto de parceria entre o Instituto de Cidadania Empresarial (ICE), a Anprotec – Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, e o Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.

Essa edição prevê entregas intermediárias a serem cumpridas pelos participantes, para que possam avançar no Programa. A primeira aconteceu no dia 19 de fevereiro e consistiu em uma reflexão sobre o alinhamento dos negócios de impacto à missão e estratégia da organização. A segunda e terceira entregas estão previstas para abril e, como a primeira, receberão feedback dos realizadores para que os participantes continuem avançando nesse tema.

Em maio, os participantes começarão a montar seus planos de ação com o apoio de consultores, demonstrando como os negócios de impacto serão inseridos em sua estratégia. Após essa etapa, participam de um Desafio: os cinco melhores planos de ação – um de cada região do Brasil – receberão um prêmio de R$ 25 mil, além de mentoria dos associados do ICE e vouchers de serviços do Sebrae para os negócios de impacto apoiados por eles.

A etapa seguinte será de acompanhamento da implementação de todos os planos de ação feitos pelas participantes. Ou seja, não só os planos dos vencedores do Desafio serão acompanhados. O objetivo é fazer com que mais e mais aceleradoras e incubadoras disseminem o conceito de negócios de impacto, colaborando para que surjam novas soluções para problemas sociais complexos.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.