Notícias

Notícias

Coletivos de comunicação produzem conteúdos sobre o Fórum

Coletivos de comunicação acompanharam a programação da trilha sobre periferia, raça e gênero durante o Fórum de Finanças Sociais e Negócios de Impacto. Os grupos Alma Preta, Nós Mulheres da Periferia e Desenrola e não me enrola trouxeram pluralidade de vozes e abordagens ao conteúdo produzido ao longo do evento, contribuindo para a descentralização das narrativas.

____________________________________

O Desenrola e não me enrola –  coletivo de jovens baseado no território do Jardim Ângela que atua no sentido de investigar a identidade cultural das periferias por meio de reportagens – focou a abordagem na possibilidade ou não de promover “reparação histórica no contexto racial, econômico, cultural e educacional por meio de projetos de impacto que estão sendo realizados nos territórios por pessoas que nasceram, cresceram e ascenderam socialmente por meio de iniciativas de valor público. Para explorar essa questão, o grupo conversou com alguns empreendedores periféricos que participaram do Fórum. Clique aqui para ler a matéria, assinada por Ronaldo Matos.

 ____________________________________

A mulher empreendedora na periferia e seus desafios foi o tema abordado pelo Nós Mulheres da Periferia, coletivo jornalístico independente, formado por moradoras de diferentes regiões periféricas de São Paulo, que busca disseminar conteúdos autorais produzidos por mulheres, tendo como fio condutor editorial a interseção de gênero, raça e território.  “Quando umamulher empreende, ela gera mudanças tanto na sua família quanto na própriacomunidade. E é transformando o ecossistema que está ao seu redor que elase torna uma empreendedora de impacto”, aponta o texto, assinado por Dalila Ferreira. Confira a matéria clicando aqui.

 _____________________________________

O coletivo Alma Preta, agência de jornalismo especializada na temática racial, destacou o debate sobreprotagonismo e mudanças que incluam negros, mulheres e pessoas periféricas no campo de investimentos”. O texto de Thalyta Martins trouxe falas e construções colhidas ao longo da programação da trilhasobre periferia, raça e gênero. Para ler a cobertura completa, clique aqui.



ICE – Instituto de Cidadania Empresarial