Notícias

Notícias

Série Impacto & Diversidade: Pessoas negras no ecossistema de negócios de impacto

Na segunda matéria da série, conheça estudos e evidências que ilustram desafios e dicas de quem tem atuado para promover a diversidade racial no setor.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de um universo de pouco mais de 210 milhões de habitantes no Brasil, cerca de 99 milhões de pessoas se declaram pardas e 20 milhões negras.

Apesar de serem mais da metade da população brasileira (56,75%), negros e pardos ainda se veem privados de uma infinidade de direitos e espaços. Dados dos estudo Empreendedorismo Negro no Brasil 2019, realizado pela Pretahub em parceria com JP Morgan e Plano CDE, revelam que a maioria dos empreendedores negros identifica-se como pardo (81%). Dos que empreendem por necessidade, 46% justificam a ação pelo desemprego, acentuado pela dificuldade de acesso ao mercado de trabalho.

Entre os principais desafios apontados por esses empreendedores está o acesso a crédito, realidade que também se confirma entre os empreendedores de impacto negros. Segundo o recém lançado 3º Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental, da Pipe.Social, pessoas negras representam apenas 34% dos empreendedores de impacto e registram maior dificuldade de acessar investimentos. Entre a base não investida, 20% são de negócios liderados por negros e entre aqueles em fase de escala, apenas 10% têm empreendedores negros na liderança.

“Como é possível pensar em impacto social no Brasil sem pautar a equidade racial de forma transversal? Essa é uma provocação que temos levado a diferentes atores desde 2017, quando iniciamos as nossas operações e identificamos que não havia outros negros nos espaços de empreendedorismo, inovação e impacto. No histórico dos últimos vinte anos de consolidação desse ecossistema, é possível contar sem dificuldade o número de negócios e empreendedores negros”, observa Antonio Pita, cofundador e CEO da Diaspora.Black.

A startup é uma das investidas do Black Founders Fund, fundo de capital de risco do Google for Startups destinado a combater a discriminação racial no ambiente empreendedor. Seu modelo de negócio é semelhante ao da plataforma de hospedagem Airbnb, operando como um marketplace de aluguel de acomodações. A diferença é que o serviço é voltado a pessoas negras.

O Panorama do ecossistema de startups no Brasil – Rumo à diversidade racial aponta barreiras e sugere práticas para o fomento da diversidade racial no ecossistema brasileiro de startups que Antonio reinvidica. A pesquisa é uma iniciativa da BlackRocks em parceria com a Bain & Company e mostra que indicações e critérios de seleção reforçam o perfil prevalente: homem branco, do sudeste do país, de alta renda, formado em universidade de ponta e com especialização no exterior.

O estudo elenca seis ações para aumentar a diversidade racial no ecossistema de startups: 1) Monitorar métricas de diversidade racial em startups do pipeline e do portfólio; 2) Aumentar a diversidade racial na liderança e times dos agentes e em suas redes de contatos; 3) Originar oportunidades por canais não tradicionais; 4) Incentivar maior diversidade racial nos times de startups; 5) Assumir papel ativo na correção da assimetria de informação sobre o ecossistema; 6) Ser aliado de agentes que lutam pela diversidade racial no ecossistema.

Para Antonio, embora haja uma sensibilização crescente, é importante avançar com letramento racial contínuo e ações estratégicas. “É urgente a construção de uma tese de investimentos voltada à promoção da equidade racial, que compreenda os prejuízos econômicos gerados pelo racismo para a sociedade e que possa nortear o setor privado no desenvolvimento de políticas institucionais, além de definir parâmetros e métricas para investimento direto.”

Apoio multifacetado e estruturante

Desafios estruturais, como o racismo, demandam respostas multidisciplinares e estratégicas. Pensando nisso, Luana Génot, fundadora e diretora executiva do  Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), ressalta a importância do apoio de outros setores na promoção da diversidade racial no ecossistema empreendedor, seja ele de impacto ou não.

Para a especialista, o investimento social privado e a filantropia, bem como as dinamizadoras do próprio ecossistema de impacto, podem criar programas e fomentos cada vez mais intencionais, destinados a organizações e empreendimentos capitaneados por pessoas negras e/ou que liderem a pauta antirracista.

“Especialmente depois de George Floyd, a tendência tem sido pautar o antirracismo de forma mais intencional. A sociedade tem colocado certa pressão sobre as empresas e mesmo sobre as organizações de impacto e da filantropia no sentido de saber o que elas estão fazendo pela pauta antirracista”, observa.

É muito comum no Brasil que, em momentos de crise, todas as iniciativas e financiamentos se voltem para ações emergenciais, interrompendo ciclos de atuação mais estratégica, de longo prazo, como o combate ao racismo.

Para Antonio, no entanto, a necessidade de ações assistenciais urgentes evidenciada pela pandemia não deve ofuscar a importância da continuidade das ações estruturais.

“Com a crescente mobilização e conscientização sobre o tema no país, as oportunidades são abundantes e devem emergir de atuações locais nas comunidades. Será importante para as organizações intermediárias se aproximar desses territórios, apoiar formações e financiar movimentos e organismos locais de fomento ao empreendedorismo, desenvolvimento de softwares e inovação para formar uma nova geração e apoiar potenciais negócios desde a sua ideação”, observa.

Por outro lado, continua, “os investidores devem estar atentos à consolidação do mercado de produtos e serviços segmentados e às demandas específicas da população negra. Se fizerem isso, terão grandes oportunidades de investir nas empresas nativas desses segmentos, que já têm métricas e impactos consolidados, além de alto potencial de escala.

Tendências

Entre as tendências e projeções apontadas para o tema em 2021, Antonio destaca o letramento racial cada vez mais entendido pelas empresas e organizações como essencial para o desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira. O conceito propõe educação, reflexão e posicionamento antirracista a partir do reconhecimento de que direitos e lugares hierarquicamente diferentes para brancos e não-brancos foram estabelecidos de forma arbitrária. 

“Alguns estudos já mostram que houve mais holofote e investimentos no combate ao racismo desde o episódio com George Floyd do que na última década. E isso é uma virada de chave. Só que a ideia é que a gente não precise ter mais pessoas negras morrendo na frente das câmeras para que essa pauta possa andar mais rápido, seja dentro do mundo corporativo e do ecossistema de impacto, ou fora deles.”, observa Luana Génot ao destacar os investimentos na pauta antirracista como uma tendência.


Assine aqui nosso informativo mensal para receber outros conteúdos como esse diretamente no seu email.



ICE – Instituto de Cidadania Empresarial