Notícias

Notícias

Apoio à incubação e aceleração de impacto faz parte da abordagem sistêmica do ICE em prol dos negócios de impacto

Desafio e premiação que encerraram a quarta turma do Programa Incubação e Aceleração de Impacto aconteceu durante Innovation Summit Brasil 2019

Segundo o estudo Mapeamento dos Mecanismos de Geração de Empreendimentos Inovadores no Brasil, realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), existem atualmente 363 incubadoras e 57 aceleradoras no Brasil. 

Via de regra, as incubadoras apostam em empresas com elevado grau de inovação e oferecem um tempo maior de apoio, enquanto as aceleradoras buscam boas ideias com o potencial de crescer rapidamente a partir de um apoio por um tempo mais curto e delimitado. Ambos são considerados intermediários para o desenvolvimento do empreendedorismo inovador no Brasil e também do ecossistema de negócios de impacto socioambiental positivo.

“O Brasil conta com uma rede de organizações que promovem empreendedorismo inovador nos quatro cantos do país e é fundamental que elas estejam preparadas para também apoiar negócios de impacto. Isso dá capilaridade ao tema e aumenta o pipeline de negócios bem preparados para lidarem com os principais desafios sociais e ambientais que enfrentamos.” explica Samir Hamra, gestor de programas do ICE. “Muitas vezes esses empreendedores já estão no portfólio das incubadoras e aceleradoras e, a partir do conhecimento e das conexões gerados pelo Programa Incubação e Aceleração de Impacto, eles passam a se reconhecer como negócios de impacto e receber apoio mais direcionado às suas necessidades”, comenta ele.

O apoio que é fundamental para dar primeiros passos firmes na jornada empreendedora ainda é um gargalo para o desenvolvimento do setor de negócios de impacto. Segundo o Mapa de Impacto 2019, da Pipe.Social, metade dos 1002 negócios que compõe o estudo já tentou ingressar em um processo de aceleração sem sucesso, enquanto 30% já foi acelerado ou incubado uma vez.

Apoio a quem apoia 

O Programa de Incubação e Aceleração de Impacto é uma das iniciativas do ICE voltada para o apoio a intermediários, que combinada com ações voltadas para investidores e empreendedores de impacto cria uma abordagem sistêmica. Realizado em parceria com a Anprotec e o Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) desde 2015, tem como objetivo consolidar a atuação de aceleradoras e incubadoras na atração, seleção e acompanhamento de negócios de impacto social por acreditar no potencial desses atores de influenciar a agenda empreendedora do Brasil. 

Até o presente momento, 70 incubadoras e aceleradoras das cinco regiões do país já passaram pela formação ofertada pelo programa, na qual ao final de seis meses as organizações devem criar um plano de ação para inclusão da temática de impacto em sua estratégia. A entrega do plano é a porta de entrada para participação no Desafio de Incubação e Aceleração de Impacto.

Ecossistema de aceleração e incubação 

Em 2018-2019, 16 organizações de 10 estados brasileiros concluíram a formação na 4ª turma do Programa. Um comitê composto por Graziella Comini (Universidade de São Paulo), Daiana Lerípio (Sumá), Márcia Cortes (Instituto Humanize), Gabriela Ferreira (Tecnopuc) e Carolina Andrade (Social Good Brasil) escolheu entre dez finalistas que participaram do Desafio, 5 incubadoras e aceleradoras que mais se destacaram, cada uma representando uma região. São elas: Ativa Incubadora, do Mato Grosso; Incubadora Tecnológica da Unochapecó, de Santa Catarina; Armazém da Criatividade, de Pernambuco; Nascente Incubadora do Cefet, de Minas Gerais; e Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia – Idesam, do Amazonas. 

A premiação aconteceu durante o encerramento do Innovation Summit Brasil 2019, realizado em agosto, em Florianópolis, pela Rede Nacional de Associações de Inovação e Investimentos (RNAII). A primeira edição do evento teve como objetivo propor discussões e proposições para incentivar o investimento em empreendedorismo inovador no Brasil. 

Outras aceleradoras e incubadoras já graduadas pelo Programa também participaram durante o Summit de um workshop especialmente desenhado para eles sobre  como tirar o plano de ação construído do papel, monitoramento de impacto, e como negócios de impacto podem alinhar a geração de receita à geração de impacto. 

Samir Hamra, coordenador de programas do ICE, explica que as atividades de formação realizadas nesta última etapa tem como objetivo capacitar as organizações graduadas pelo Programa a darem um salto qualitativo no apoio que oferecem a negócios de impacto, disponibilizando ferramentas e conectando-as com investidores, aceleradoras e outros atores do campo de negócios de impacto. 

Ainda no Innovation Summit 2019, a temática de impacto socioambiental positivo marcou presença com a participação de Beto Scretas, consultor do ICE e membro da diretoria executiva da Aliança pelos Investimentos e Negócios de Impacto, no painel A nova agenda de geração de startups e as oportunidades para os ambientes de inovação, que integrou o workshop Anprotec, realizado no primeiro dia do Summit.

A mesa debateu a importância do aumento do investimento global em negócios de impacto, a expectativa dos investidores em relação às startups e aos ambientes de inovação, a importância dos novos negócios olharem além da realidade local e o papel do meio acadêmico na geração e evolução das startups. Além de Beto, participaram do painel Sandro Cortezia, líder temático de Aceleradoras na Anprotec e sócio-fundador e CEO da Ventiur; Humberto Matsuda, coordenador do Comitê de Venture Capital da ABVCAP; Luis Fernando Corrêa da Silva Machado, chefe da Divisão de Promoção Tecnológica I do Ministério das Relações Exteriores; e Michael S. Rosen, diretor geral de Desenvolvimento Acadêmico e Empresarial da TEKCapital. 

Nova turma 

Até 14 de outubro, estão abertas as inscrições para a 5ª Turma do Programa de Incubação e Aceleração de Impacto. Incubadoras e aceleradoras de todo o Brasil que desejam aprender e trocar informações sobre como atrair, selecionar e acompanhar negócios de impacto socioambiental podem participar da iniciativa, desde que sejam associadas à Anprotec, operem há no mínimo dois anos e tenham acelerado ou incubado ao menos quatro negócios. 

As inscrições podem ser realizadas no site da chamada, onde está disponível o edital completo. Eventuais dúvidas devem ser encaminhadas para o e-mail impacto@anprotec.org.br.



ICE – Instituto de Cidadania Empresarial